Poucas & Boas
Contador de visitas
           JORNALISTA RESP.: AB SILVEIRA                            VISITANTE                         CONTATO: abesilveira@hotmail.com
Observe como foram julgadas as contas do ex-presidente do Sanep Jacques Reydam, inicialmente protegido de Fetter Júnior e mais tarde de Eduardo Leite, continuando no governo de Paula Mascarenhas.Clique aqui e confira. A área da Saúde foi contemplada com uma denúncia do Ministério Público Federal envolvendo o ex-prefeito Fetter Júnior, Arita Bergmann, Francisco Isaias e Saad Salim.Clique e confira o teor.  Embora negue que esteja sendo processado, exitem pendências contra Eduardo Leite em andamento e o que se espera é julgamento sem favorecimentos. Clique e veja quais são.
BANCO DE DADOS
O SALDO DE UMA GESTÃO DESASTRADA
I-N-C-U-R-Á-V-E-L
O Ministério Público sempre foi uma grande  e admirável instituição e eu acompanhei de perto, cobrindo a atividfade de granbdes promotores como Francisco Soares Lamego, Antônio Dionário Lopes, João Armando Valler, José Fernando Gonzalez, Edson V. Fernandes e vários outros. Tempos de sincronismo perfeiuto com a imprensa, que aos poucos foi sumindo e as dificuldades de acesso acabaramm contribuindo paraa limitação das informações. Hoje as dificuldades de contato são enormes, principalmente depois que o acesso passou a depender de estagiários. Eu nunca consegui imaginar que cobrir o MP virasse algo de difícil acesso.
´    O ex-reitor da UFPEL Antônio César Borges Gonçalves, ex-reitor da UFPel, está condenado pelo Tribunal de Contas da União a indenizar o Tesouro Nacional por prejuízos causados em sua gestão no comando da instituição, em função de uma transação de compra de terrenos na área  do  Anglo, onde pretendia erguer um shopping, que acabou não vingando. A decisão, do final do ano passado condena César Borges deve devolver aos cofres da União R$ 2 milhões, o ainda o inabilita a ocupar funções públicas por oito anos, além de multa de R$ 500 mil. Na época esta operação teve grande repercussão, atingindo também Geraldo Fonseca, já falecido, que presidia a Fundação Simon Bolívar. Processo que na época fez muita gente torcer o nariz em favor de um reitor que cometeu atropelos em série, com assesoramento muito questionável que sempre deixou a desejar. Sabidamente, César Boirges sempre foi um médico de altíssima qualidade, humanitário ao extremo mas não foi nada magnífico no comando da UFPel e o saldo é este, que vem do Tribunal de Contas da União.
A sacanagem foi uma marca de um presidente da Câmara Municipal, que sob controle de uma amiga em alto cargo, forravam as guaiacas  com mordidas escancaradas em licenças-prêmios e até mesmo em indenizações.Certa vez estava tudo pronto para o bote num funcionário de carreira, que teria que repassar 1/3 para a o casal, caso contrário não receberia nada. Aquele dinheiro era tido como favas contadas pelo casal de roedores, que deu uma saída para descanso por alguns dias, certos de que na volta teriam mais dinheiro para gastar. Na volta se depararam com o que não esperavam e a reação foi de uma fúria sem limites quando souberam que o vereador Ricardo dos Santos, que respondia pelo comando, pagara integralmente a licença, sem cobrar absolutamente nada pelo ato.As represálias atingiram até o campo familiar do servidor.
Impressionantes os critérios de escolha de determinados secretários na administração municipal de Pelotas, que tem sido a tábua de salvação de vários comerciantes e empresários que não souberam gerir suas empresas. Já faz um bom tempo que prefeitos descomprometidos com as suas comunidades passaram a garantir emprego com cargos de ponta para várias pessoas com problemas em seus negócios. Na busca de um bom salário, que geralmente não pagavam para seus funcionários, passaram a se encostar nos prefeitos e um dos que mais foi contemplado foi Fernando Estima, que agora foi agraciado com o Porto do Rio Grande pelo Piratini, mesmo não tendo mostrado competência nem para administrar o Mercado Público. Agora é anunciado o nome de Gilmar Bazanella como seu substituto no Desenvolvimento Econômico, de capacidade limitada  limitada para o cargo e com uma proposta para o setor que nunca conseguiu aplicar em seu comércio. A prefeita age mais uma vez como socorrista  de quem foi mal em seus negócios e que agora tem uma cidade para pagar seu salário de R$ 10 mil mensais, pagos religiosamente pelo contribuinte local.
O VELHO PAÇO PROTETOR DOS QUEBRADINHOS
    Quem passou por um sério constrangimento foi o conhecido desportista Wilson Carvalho(foto), que marcou época no futebol gaúcho nos anos 60 e 70, quando integrou o grande elenco do G.A Farroupilha, o temível Fantasma do Fragata, que era um parada muito difícil, até mesmo para Grêmio e Internacional. A mesma habilidade mostrada nos gramados também era exibida no parquê e a todo momento surgiam convites para apresentações em outras cidades, que querim ver grandes talentos como Peto, Pedalão, Prestes, Covinha, Zé Alan e vários outros atletas que encantavam o torcedor.     E foi num desses shows numa cidade próxima de Bagé que o exuberante Wilson Carvalho passou por uma situação muito constrangedora, que nunca conseguiu esquecer, propiciada pelo irreverente e imperdível Pedalão, que era show dentro e fora das quadras.     Terminada a partida, um militar graduado do Exército Brasileiro da zona de fronteira e alguns de seus familiares se aproximaram para saudar Wilson, que
estava próximo de Pedalão e a conversa se alongou.      O papo estava animado e a troca de gentilezas era farta quando Pedalão, que estava com o sistema digestivo sobrecarregado, resolveu aprontar uma daquelas inesquecíveis, soltando um peido silencioso, mas devastador para todos que respiravam naquele ambiente.      O clima estava pesado e fétido e ninguém imaginava quem era realmente o autor da façanha Todos se olhavam muito constrangidos quando Pedalão se aproximou do amigo, bateu no seu ombro e indagou, demonstrando a maior preocupação do mundo: - O que é que tu comeste hoje Wilson, que te fez tanto mal assim?      Wilson entrou chão a dentro diante de tantas pessoas que estavam ali para saudá-lo e nunca mais esqueceu do peido inoportuno do companheiro, um mestre também no campo da gozação.
GASES FÉTIDOS DE UM AMIGO
ESBOÇO DE UM ADEUS?
CHEFE DE GABINETE DO PIRATINI
O site do jornalista A.B.Silveira
Depois de Bia Araújo, Fernando Estima e Catarina Paladini em cargos de ponta no Governo do Estado, o governador Eduardo Leite assinou nesta quarta-feira 16 a nomeação do incomparável Paulo Morales, vulgo Mosquito, como seu chefe de gabinete. Morales perambulou por vários cargos desde que surgiu politicamente como assessor de Gilberto Cunha na Câmara Municipal, passou pela direção do Sanep, Secretaria da Qualidade Ambiental e outras funções recentes no comando de setores de ponta dos governos de Eduardo Leite e Paula Masdcarenhas.Competência questionável masse vale da fidelidade para se manter em cargos e agora acaba mais uma vez premiado no Estado, mas não está totalmente afastado da administração pelotense, onde deixou tudo sob controle dos integrantes de sua facção para que seu esquema não sofra solução de continuidade. Durante um bom tempo foi veiculado por um antigo CC que tivera sérios problemas com a CEEE quando explorava uma quadra de padel e a rede de energia miava copiosamente. Silenciou.
    Fabrício Tavares assume a Câmara Municipal fazendo questão de mostrar que é o mesmo Zé Gotinha de 2012, ou talvez pior, agora com forte influência sobre o Executivo. Após a estupenda improbidade de concurso ao liberar R$ 10 milhões do fundo legislativo para socorrer Paula Mascarenhas, Tavares não resiste as baboseiras de Ademar Ornel e de sua nefasta companhia que dirigiu a Câmara, e nomeia a filha desta para um para um cargo diretivo, evidenciando que entra com o rabo bem preso por gente de qualidade sabidamente duvidosa. E para complicar, não está descartada a reabertura do Caso Zé Gotinha e está sendo estudada a coleta de assinaturas com possibilidade de acionamento do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado,GAECO, que talvez encontre explicações para esta impunidade que consagrou o absurdo .