Poucas & Boas
Contador de visitas
           JORNALISTA RESP.: AB SILVEIRA                            VISITANTE                         CONTATO: abesilveira@hotmail.com
Em 2012 estourou o Caso Zé Gotinha, que acabou sepultando a candidatura de Fabrício Tavares, que tinha a missão de dar continuidade ao desgoverno de Fetter Júnior. O caso teve uma CPI fajuta na Câmara Municipal, ajustada de todas as formas para não respingar no Zé Gotão e a apuração foi parar no MP de Rio Grande, sem que até hoje os principais envolvidos fossem exemplarmente punidos. O rolo foi grande e acabvou sobrando um processo para o vereador Eduardo Macluf, cujo desdobvramento foi contra o autor Fabrício Tavares, tanto que hoje está sendo processado para pagar os honorários do advogadfo Fabrício Mathielo, no valor de R$ 15 mil. Em outro processo do MP, tem que devolver diárias de uma viagem que fez para Brasília com fins políticos num aliciamento partitário. Passados 6 anos e mesmo com o monumental rastro de ilícitos na condição de vice-prefeito da época de farras infindáveis, Fabrício Tavares já está sendo indicado pelo Executivo para ser o próximo presidente da Câmara Municipal, em substituição ao colega Luis Henrique Vianna, que assume como deputado federal em 31 de janeiro de 2019.Clique no link abaixo e confira:
A morte da personagem central da badalada polêmica dos exames pré-câncer na cidade de Pelotas
A senhora Ieda de Ávila, 51 anos,talvez a principal personagem da controvérsia envolvendo exames pré-câncer suspeitos de erro no município de Pelotas, morreu no dia 29 de novembro. Ela estava internada no Hospital São Francisco de Paula, onde dera entrada com muitas dorees no corpo. Ela lutava contra um câncer de colo de útero, descoberto após dois exames preventivos (papanicolau) realizados na rede pública de saúde do município apresentarem resultados negativos para a doença. Uma política de amostragem que está ceifando vidas.
ZERO HORA - ROSANE DE OLIVEIRA - 07/05/2013 - O ex-secretário está convencido de que entrou na mira da Operação Concutare em novembro do ano passado, a partir de uma viagem à Espanha, em que fez palestra sobre a revitalização da orla do Guaíba, indicado pelo ex-deputado Berfran Rosado (PPS, futuro MD), dono do Instituto Biosenso. Záchia soube agora que quatro agentes da Polícia Federal viajaram a Madri para acompanhar o congresso e monitoraram os passos dele, de Berfran e do ex-secretário Giancarlo Tusi Pinto, sócio da Biosenso. Dessa viagem, participou também a vice-prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas, à época recém-eleita, mas ela não é alvo da investigação.
A VOLTA DO QUE NÃO FOI
Mesmo com tudo o que está sendo feito hoje para erradicar com a corrupção, por aqui ainda tem político capaz de qualquer tipo de sacanagem, até mesmo tentando tirar parte do 13º salário de asssessores para a compra de motos para bingos frios, de escancarada pilantropia familiar. Tudo indica que PF e Receita Federal podem estar monitorando esta sacanagem que vem de longa data.
Na última sexta-feira (30), a vereadora Fernanda Miranda (PSOL) esteve no Ministério Público protocolando a denúncia referente ao mal funcionamento da usina de asfalto onde o maquinário estava operando sem filtro de manga, emitindo partículas poluentes diretamente no ar. Segundo os moradores, a população do entorno da usina sofre há anos com uma fuligem preta, que impede que as janelas sejam abertas e roupas sejam estendidas para secar na rua. Além disso, são recorrentes os casos de problemas respiratórios e alérgicos, que estão diretamente associados a está poeira que sai da chaminé da usina. “Nosso mandato requisitará ao MP que a usina de asfalto, que opera na zona central, seja transferida para o distrito industrial”, complementa Fernanda.
USINA DE ASFALTO ENTRA NA PAUTA DO MP
Que ninguém estranhe se figuras bem manjadas como Fernando Estima e Jacques Reydams venham a ocupar cargos na administração estadual. Um dos cargos mais cobiçados é a direção do Porto do Rio Grande e os espertos não arredam pé da área. A atração entre os iguais chega a ser assustadora. Pobre Rio Grande.
            Após   dois   votos   contrários   à   libertação   do   ex-presidente   Luiz   Inácio Lula   da   Silva,   o   ministro   Gilmar   Mendes   pediu   vista   (mais   tempo   para analisar   o   processo)   e   adiou   a   conclusão   do   julgamento   na   Segunda Turma   do   Supremo   Tribunal   Federal   (STF).   Antes   do   pedido   de   Gilmar Mendes,   Edson   Fachin   (relator)   e   Cármen   Lúcia   tinham   votado   contra   a concessão    de    liberdade    a    Lula    e    contra    a    anulação    dos    processos relacionados   a   Lula   nos   quais   Sérgio   Moro   atuou   como   juiz   federal.   Os dois   pedidos   foram   feitos   pela   defesa   de   Lula.   Além   do   voto   de   Gilmar Mendes,   faltam   os   de   Ricardo   Lewandowski   e   Celso   de   Mello.   Não   data   para   o   julgamento   prosseguir.   Gilmar   Mendes   afirmou   que   se   trata de    "matéria    controvertida    e    que    tem    dado    ensejo    a    debates    na imprensa    nacional    e    internacional".    O    ministro    argumentou    que, embora   a   Corte   já   tenha   discutido   diversos   temas   relacionados   no habeas    corpus,    outros    “fatos    novos”    ainda    não    foram    debatidos. “Considerando   a   importância   do   tema,   eu   vou   pedir   vista”,   disse.   Os   advogados   de   Lula   apresentaram   o   pedido   de   liberdade   depois   de   Sérgio Moro,   ainda   como   juiz   responsável   pela   Lava   Jato,   ter   aceitado   o   convite   do   presidente   eleito   Jair   Bolsonaro   para   ser   ministro   da   Justiça.   Para a   defesa,   a   aceitação   do   convite   comprova   parcialidade   de   Moro   na   condenação   do   ex-presidente.   Lula   se   diz   inocente.   Lula   está   preso   desde abril   deste   ano.   O   ex-presidente   foi   condenado   por   corrupção   e   lavagem   de   dinheiro   em   processo   da   Operação   Lava   Jato   a   12   anos   e   1   mês   de prisão.   A   sentença   foi   do   Tribunal   Regional   Federal   (TRF)   da   4ª   Região,   que   ampliou   a   pena   originalmente   determinada   por   Moro   (9   anos   e   6 meses de prisão).
GILMAR MENDES PEDE VISTA E ADIA JULGAMENTO DE HABEAS EM FAVOR DE LULA NO STF
                O   Executivo   Municipal   protocolou   na   Câmara   de Vereadores,   nesta   terça-feira   (4),   dois   Projetos   de   Lei que   tratam   de   iluminação   pública.   Um   deles   autoriza   a instituição    de    contrato    de    Parceria    Público-Privada (PPP)   para   modernização   do   sistema   de   iluminação   do Município.   O   outro,   institui   a   contribuição   específica   de Custeio   do   Serviço   de   Iluminação   Pública   (Cosip),   que garantirá     a     manutenção     do     contrato.     Ambos     os projetos     foram     apresentados     pela     prefeita     Paula Mascarenhas   à   imprensa   durante   coletiva   realizada   no Paço   Municipal.Conforme   pesquisa   do   IBGE   realizada em   2015,   dos   5.570   municípios   brasileiros,   4.087   aplicam   a   contribuição   na   iluminação.   Entre   as   497 cidades    gaúchas,    347    possuem    alguma    forma    de custeio   do   serviço,   e   entre   os   20   maiores   municípios do    Estado,    apenas    Pelotas    não    possui    o    tributo.    A possibilidade   de   instituição   da   Cosip   foi   inserida   na   Constituição   Federal,   pela   emenda   constitucional   número 39/2002.   Devido   à   importância   do   projeto   de   modernização   do   parque   de   iluminação   pública,   que   consta   no Plano   de   Governo   da   prefeita,   o   Comitê   Gestor   do   Programa   de   Parcerias   Público   Privadas   do   Município   de Pelotas (CGP) propôs implantar uma PPP. “Queremos otimizar, qualificar e modernizar o serviço oferecido à população. Trazer mais segurança e também economia com o LED. Meu compromisso é iniciar pelos bairros periféricos”, enfatizou Paula à imprensa.                A   intenção   da   Prefeitura   é   primeiro   atender   aos   bairros,   onde   começará   a   substituição   das   lâmpadas   e acessórios,   a   exemplo   do   que   ocorreu   nas   ruas   General   Osório   e   Marechal   Deodoro   e   na   avenida   Juscelino Kubitschek.   Hoje,   Pelotas   conta   com   28.406   pontos   de   iluminação,   que   atendem   cerca   de   152   mil   imóveis.   Por mês,   1.145   pontos   são   recuperados,   em   média,   pelo   poder   público.   O   valor   arrecadado   com   a   contribuição será   destinado   exclusivamente   ao   custeio   do   serviço   de   iluminação,   que   engloba   a   aquisição   e   manutenção   de equipamentos,   a   operação   do   serviço   e   o   consumo   de   energia   elétrica.   Mensalmente,   a   conta   de   luz   do Município   fica   entorno   de   R$   700   mil,   e   não   há   fonte   única   para   esse   investimento,   lembrou   a   prefeita.   Os secretários    da    Fazenda,    Jairo    Dutra,    Planejamento    e    Gestão,    Paulo    Morales,    e    Serviços    Urbanos    e Infraestrutura,   Jeferson   Dutra,   acompanharam   a   coletiva.   A   procuradora-geral   do   Município,   Luciane   Moreira,   a chefe e o assessor do Gabinete da Prefeita, Kelli Schaefer e Fábio Machado, também estiveram presentes.                Como   se   vê,   mais   uma   vez   a   população   vai   pagar   a   conta   de   um   governo   desc   ompromissado   com   a população   pobre.Governo   sedento   de   recursos   para   pagar   os   vergonhosos   compromiossos   promocionais   de Eduardo   Leite,   que   até   aqui   recebem   tratamento   vip   de   órgãos   cujo   dever   de   ofício   é   investigar   e   punir.   Para quem   não   lembra,   a   atual   prefeita   é   a   mesma   que   escapou   milagrosamente   de   qualquer   punição,   quando passeava   com   a   quadrilha   ambiental   do   RS   em   Madri   em   2012.   Isto   foi   publicado   em   ZH.   Tudo   que   vem   de Paula   Mascarenhas   não   representa   nenhum   tipo   de   novidade.   Foi   no   apagar   das   luzes   de   seu   governo   que Eduardo   Leite   iumplantou   mais   uma   taxa   do   lixo,   valendo-se   da   vulnerabilidade   de   políticos   dependentes   de cargos   e   vantagens,   do   tipo   Ademar   Ornel,   totalmente   desprovidos   de   escrúpulos.   Ontem   foi   a   taxa   do   lixo   em mais   uma   versão,   agora   é   a   taxa   de   iluminação   e   talvez   em   breve   sejamos   penalizados   até   com   taxa   especial para passeios em calçadas e logradouros públicos.
VEM AÍ A TAXA DE ILUMINAÇÃO