Kenneth Donald Rogers, 77 anos, é um prolífico cantor de música country norte-americano, além de fotógrafo, produtor e ator. Rogers também foi um dos líderes do grupo USA for Africa, que teve como objetivo ajudar as vítimas da fome e doenças em África. Natural do Texas, gravou seu primeiro disco em 1976 e não parou mais, gravando grandes temas românticos, passando a ser um forte concorrente ao exuberante Johny Mathis. Entre seus vários sucessos escolhemos a imperdível e eternizada Lady.

P1 peb.pdf P2 peb.pdf P4 peb.pdf P3 peb.pdf

Clique e abra o DM de hoje

contador de acesso
contador de acesso

          Visitas ao Site

Pelotas no Satélite

Clique e confira

O site do jornalista A.B.Silveira - Contato: abesilveira@hotmail.com

Kenny Rogers - Lady


Poucas & Boas

Paim  afirma que projeto da terceirização é “vagabundo”

     A reunião durou cerca de três horas. Treze vereadores ouviram, atentamente, o prefeito explicar os motivos que o levaram a reconhecer que a licitação do transporte coletivo de Pelotas estava errada e apresentar uma proposta de acordo com o Legislativo para realizar uma nova concorrência pública. As mudanças a serem feitas, de acordo com o prefeito, tiveram como parâmetro o Decreto Legislativo da  Câmara, que visava suspender a licitação.

     “Mesmo que o Decreto tenha sido questionado por nós (Prefeitura) é um parâmetro para ser discutido aqui”, afirmou Eduardo Leite.

      Para o presidente da Câmara, vereador Ademar Ornel (DEM), “o Legislativo cumpriu seu papel e a atitude do prefeito em buscar o diálogo para corrigir determinados pontos demonstra isso”. A licitação, em seu entender, “é um processo que envolve milhares de pessoas por dia e a Câmara não pode tomar decisões apressadas mudando leis que foram construídas após debates com diversos segmentos da sociedade”.

Ao final da reunião o prefeito disse que enviará à Câmara novo projeto de lei para alterar o artigo 30 da Lei 5.854/2011, permitindo a licitação conjunta do transporte coletivo urbano e rural. O governo foi derrotado na Justiça, por meio de liminares, por não ter cumprido a legislação em vigor, que obriga a realizar primeiro a licitação do transporte urbano para depois a do transporte rural, ao redigir o edital de licitação.

      Os vereadores concordaram em discutir o projeto quando chegar à Casa. O presidente garantiu que todos querem a licitação, “mas a lei deve ser obedecida por uma questão de segurança jurídica das partes envolvidas”. Segundo Ornel, “não se mudam leis por decisões pessoais. Ou elas são submetidas à Casa Legislativa ou discutidas no Tribunal de Justiça, que são os dois fóruns competentes”.

      Acordo - A segunda parte da reunião tratou dos itens do Decreto Legislativo que o prefeito aceitou corrigir no edital de licitação. Os parlamentares apresentaram vários questionamentos, sugerindo, inclusive, que outros encontros ocorram para que todas as dúvidas sejam esclarecidas.

     O prefeito apresentou as mudanças para se adequar à proposta da Câmara. A primeira diz respeito à prorrogação da concessão. O edital original, suspenso pela Justiça, garantia um prazo de concessão por 15 anos, sem prorrogação. Pelo Decreto Legislativo, haverá prazo de prorrogação de dez anos.

      O governo aceitou excluir a participação de empresas estrangeiras da licitação, expressa na legislação municipal vigente e colocada no Decreto Legislativo. O prefeito também acolheu a inclusão dos indicadores contábeis das empresas que participarem do certame.

      Duas questões geraram polêmica. A manutenção e a estabilidade dos trabalhadores. Segundo o prefeito, o Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado já decidiram pela ilegalidade dos dois itens. Já o presidente do Legislativo disse que existem correntes contrárias a essa posição, e “são fortes”. “Não sou eu quem vai tirar a estabilidade do trabalhador, pois o meu voto é pela manutenção desta causa e deste artigo. Ou muda na Câmara ou no Tribunal de Justiça”, afirmou.

      Por outro lado, será mantido o cargo de cobrador, “mas não o funcionário atual”, afirmou o prefeito.

Também ficaram sem acordo os itens: indenização das empresas e o parecer prévio do Conselho Municipal de Trânsito, que, segundo o Decreto Legislativo deve ser ouvido “para garantir o processo democrático na gestão do transporte público em Pelotas”. Para o vereador Marcos Ferreira (PT), a indenização precisa ser melhor discutida. “Não podemos deixar que a conta venha cair um dia no colo da população. Este é um item que precisa ser resolvido”, afirmou.

    Apesar das divergências, o prefeito garantiu: “vou fazer a licitação mesmo que seja só urbana, é uma questão intransponível. Não vou considerar os interesses de segmentos nem de interesses corporativos”.(Assessoria)

Prefeito admite erros na licitação do transporte coletivo

  O senador petista Paulo Paim, que não está nada satisfeito com o seu partido e pode ser um dos próximos a caior fora da sigla,  classificou como “perverso” o texto da Lei das Terceirizações e comparou a proposta a uma “revogação da Lei Áurea”. Ele espera um debate cuidadoso sobre o tema, alertando que os terceirizados devem ter os mesmos direitos dos outros trabalhadores. Na opinião de Paim, o Senado não deverá acompanhar a posição “superconservadora” da Câmara dos Deputados sobre as terceirizações.

- Podem ter certeza: como veio da Câmara não passa. Ou nós fazemos uma mudança radical ou rejeitamos de vez esse projeto perverso que quer retirar os direitos dos trabalhadores - disse o senador.

   Paim também saudou a realização da 6ª Conferência Internacional de Direitos Humanos em Belém, no Pará, com o tema de efetivação de direitos iguais. Ele lembrou que a terceirização foi tema de discussão na conferência, e a proposta, em sua opinião, foi "merecidamente crucificada” pelos debatedores.

    Nesta sexta-feira em pronunciamento feito na Usina do gasômetro em Porto Alegre, o senador petista classificou o projeto do governo como “vagabundo”, deixando claro mais uma vez que não está nada satisfeitoi comn os rumos do seu partido no comando da nação.


    Novas mudanças no Sanep deverão ser anunciadas nos próximos dias. Com a saída de Rejane Bachini Jouglard, que vinha coordenando o Núcleo de Educação Ambiental, quem está pronto para assumir é o sempre dispensável Luiz Carlos Villar, conhecido como Caco Villar, que já fez uma verdadeira turnê por diversos setofres da administração municipal.

     Caco Villar iniciou sua trajetória na Secretaria dos Serviços Urbanos na administração de Fetter Júnior mas não deu certo e teve que ser aproveitado no gabinete, onde também não deu certo ao bater de frente com a então primeira-dama Leila Fetter e aí ficou disponível mas não fcou desempregado por muito tempo já que sua mulher assessorara a ex-deputada e talvez soubesse demais.

     Para evitar dissabores, Fetter tratou de premiar a demissão de Caco com um cargo de diretoria no Sanep, onde ficou por um bom tempo atentendo escancaradamente os interesses do amigo e parceiro Ricardo Jouglard, que ganou uma nota preta nos negócios com a autarquia e que foram apontados pelo Tribunal de Contas do RS.

    O grau de eficiência foi tão alto que em pouco tempo Fetter fez questão de recolocá-lo no comando dos Serviços Urbanos, onde ele mostrou mais uma vez uma fidelidade rara com os infiéis padrinhos de sempre, que até prova em contrário são os verdadeiros donos da Sersul, a empresa que embolsa quase R$ 1,5 milhões mensais para não limpar a cidade e que tem ramificações em quase todos os setores da atual administração.

     Mas a galinha dos Ovos de Ouro dos grandes exploradores do lixo mais uma vez caiu das mãos de caco Villar, que foi substituído por Paulo Morales, seu genérico preferido de Eduardo Leite. E aí, mais uma vez Caco Villar mostrou que não fica desempregado por muito tempo. E, talvez por saber demais e por ter bebido por muito tempo no copo de seus protetores, deve ser nomeado nestes dias para o cargo de Rejane Jouglard, que foi empregada pelo irmão empresário em 2005 no governo de Bernardo de Souza na cota do então vice Fetter Júnior.

   Embora o anúncio ainda não tenha sido feito, Caco Villar já entregou toda a sua documentação, aguardando a nomeação para preencher esta vaga, que rende mensalmente mais de R$ 6 mil mensais. Um bom salário para quem foi reprovado em todos os testes de habilitação mas sabe muito e ninguém desta cúpula milionária do lixo quer passar por dissabores. Caco deverá ficar por lá por um bom tempo, até ser punido com todo o rigor com nova promoção salarial, inicialmente no lugar de Rejane ou no máximo em substituição a Henrique Fetter Carvalho.

        


As mudanças que não mudam nada no Sanep

APONTAMENTOS BEM COMPROMETEDORES?

   Oficialmente ninguém confirma nada mas é forte o rumor de que as contas do senhor Jacques Raydams como presidente do Sanep sofreram vários apontamentos, passíveis da devolução de aproximadamente R$ 2 milhões.

    Sabidamente o Sanep tem sido um verdadadeiro receptáculo de maus gestores, escolhidos a dedo por maus prefeitos, descompromissados com as suas comunidades, que são duramente penalizadas com estas nomeações incompatíveis com o bem público.

     Segundo fontes o montante apontado é de pagamento abusivo de horas-extras, inclusive para detentores de Fgs(funções gratificadas), sendo que um dos beneficiados chega a receber um acréscimo de mais de R$ 5 mil mensais.

      Por esta e várias outras irregularidades apontadas, o senhor Jacques Raydams terá que se justificar e muito bem para não ficar dependurado que nem seu antecessor Ubiratan Anselmo, que consta como um dos pendentes no site do Tribunal de Contas.Até aqui Jacques está protegido por um prefeito avesso ao bem comum e pelos donos da Revita.

      

Caco                                                    Rejane