Don't Cry for Me, Argentina , traduzida como: Não Chores Por Mim, Argentina é a canção mais conhecida da peça musical de 1978 intitulada Evita, com música de Andrew Lloyd Webber  e letra de Tim Race. Cantada pela personagem principal, Eva Perón,foi originalmente intitulada como "It's Only Your Love Returning", antes de Rice ter colocado o título atual. A música foi gravada primeiramente por Julie Covington em estúdio no ano de 1976 e interpretada por Elaine Paige nos palcos em 21 de junho de 1978  quando a peça estreou. Uma das grandes interpretações é da inglesa Sarah Brightmann.

www.diariodamanhapelotas.com.br

Imagem de satélite de Pelotas

Clique aqui e abra as seis  primeiras edições

Poucas & Boas

     O site do jornalista A.B.Slveira  -  Contato: ab.silveira@ig.com.br

Don’t cry for me,Argentina

Sarah Brightmann

O PELOTAÇO
contador de visitantes online para blog

ACESSOS

Clique aqui e abra a edição impressa 127 do Poucas & Boas

Conheça a estrutura da Escola Mário Quintana

Clique aqui e confira

Justiça Federal anula eleição do CAVG

  Por unanimidade, os desembargadores da Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul deram razão aos argumentos dos vereadores de Pelotas e concederam a liminar requerida pelo Ministério Público, suspendendo “os efeitos do contrato firmado entre o Município de Pelotas e o Instituto de Desenvolvimento Gerencial S/A”, que faz parte do Grupo Falconi, e que, desde fevereiro deste ano prestava consultoria às escolas do município.

  Além de considerar que o valor cobrado R$ 2.148.124,15, “é alto e não foi devidamente justificado pelo ente público," o Tribunal entendeu que “a necessidade da realização da consultoria contratada para alegada consecução do interesse publico é por demais duvidosa e pouco razoável, quando haveria outras alternativas mais presentes no cotidiano do ensino municipal e bem menos onerosas aos cofres públicos”.

  Para o vereador Marcus Cunha (PDT), a decisão do Tribunal faz justiça a tudo que o Legislativo apresentou desde que o contrato entre a Prefeitura e a Falconi foi divulgado. “Mostramos que não havia necessidade de contratar uma empresa de fora, que não é especializada em educação, para prestar consultoria em nossas escolas, quando temos instituições reconhecidas na área da Educação, como as universidades Federal e Católica e o IFSul”, afirma o parlamentar.

   Juntamente com o vereador Marcos Ferreira (PT), Cunha procurou o Ministério Público, na pessoa do promotor Jayme Chatkin, levando os argumentos que justificavam o ingresso de ação contra a Prefeitura. O promotor entrou com liminar, pedindo a suspensão imediata do contrato, mas o juiz da 4ª Vara Fazendária de Pelotas, Bento Fernandes de Barros Júnior, indeferiu o pedido, agora aceito, por unanimidade, pelo Tribunal de Justiça do Estado.

   O presidente da Câmara, vereador Ademar Ornel (DEM), considera que, apesar de ser uma vitória para a população pelotense, que “não sofrerá esta despesa desnecessária aos cofres públicos, é também um alerta a determinados setores da Prefeitura que se julgam donos da verdade e superiores à lei, capazes de realizar contratações não justificáveis”.

Presidente da Comissão de Educação da Câmara, o vereador Ricardo Santos (PDT) lembrou que o Legislativo realizou audiência pública para debater o assunto, onde ficou demonstrado que "os setores ligados à área educacional em Pelotas não estavam de acordo com o contrato, que nem ao menos havia sido discutido com o Conselho Municipal de Educação. A decisão do Tribunal de Justiça restaura o direito aos educdores pelotenses", afirma o parlamentar.(Ass.Legislativo)

FALCONI

A agonia de quem foi peão na Padaria do Círculo Operário

 A notícia está estampada nos jornais e não deixa qualquer dúvida de que a empresa do socialista Mário Medeiros, o popular Mário Filho, não vai pagar os mais de 200 funcionários que não receberam seus direitos trabalhistas quando do encerramento das atividades da Padaria Círculo Operário.Durante muito tempo o senhor Mário Filho, que foi vereador nos anos 90, alardeava que não precisava da política para viver.

Os anos se passaram e Mário Fillho precisa muito da política para viver, tanto que foi contemplado com um cargo de assessoria na Assembléia Legislativa pelo Partido Socialista Brasileiro. Um estilo de socialismo que deve estar engasgando as mais de 200 famílias que não receberam as devidas indenizações da família Medeiros. Para quem não lembra, Mário Filho quando integrou uma CPI contra o prefeito Anselmo Rodrigues nos anos 90, tentou ganhar a mídia com a falsa acusação de que havia sido ameaçado de morte por integrantes daquele governo. Anos mais tarde, na condição de vice-prefeito de Fernando Marroni, mais uma vez tentou sair do ostracismo quando alegou não ter espaço para trabalhar e posou sentado na frente do prédio da Prefeitura Municipal, onde estaria dando expediente. A mídia mais numa vez falhou, se consumando só agora quando da falência da padaria da família, da qual ele era o mais notório.

    A ação foi movida pelo ex-diretor da entidade Ricardo Sainz, que perdeu  a eleição para Álvaro Nebel por 0.54% dos votos, quando foram apontadas poossíveis discrepâncias na contagem dos votos, que foram ignoradas pelo Conselho Superior do CAVG. Com esta decisão, Nebel terá que entregar o cargo e realizada nova eleição em 40 dias. Eis a decisão do magistrado:

  "Julgo parcialmente procedente o pedido para anular a Resolução n.º 10/2013, do Conselho Superior do IFSul, que ratifica o resultado do Processo Eleitoral para Diretor-Geral do campus CaVG - Pelotas, mantendo a deliberação da Comissão Eleitoral Central do IFSul para que seja realizado novo processo eleitoral para Diretor-Geral do CaVG/IFSul, por consequência deve ser destituído do mandato de Diretor-Geral do CaVG/IFSul o corréu Álvaro Luiz Carvalho Nebel, nomeando-se substituto pro tempore para tal cargo nos termos da fundamentação.

  Defiro a tutela antecipada para determinar a realização de novo processo eleitoral no prazo máximo de quarenta dias, devendo o atual Diretor Geral do CAVG/IFSUL afastar-se das suas funções imediatamente, sendo que o IFSUL por meio do Conselho Superior deve indicar um substituto por tempore até a concretização do processo eleitoral”- Magistrado Cláudio Gonsales Valério.


Falta dinheiro para pagar melhor o funcionalismo mas não para as viagens dos protegidos de Eduardo Leite

  O mesmo Eduardo Leite que um dia na condição de Chefe de Gabinete de Fetter Júnior negou diárias para a então titular da SMED Ana Berenice dos Reis para receber uma homenagem por sua destacada atuação na área da Educação, concedida por uma Universidade do Paraná, dá mais uma demonstração de que brinca com um poder que não é  dele e que está em suas mãos apenas para ser bem gerenciado.

  É o que pode ser comprovado agora com a autorização dele mesmo através do memorando 123/2014 para que Ana Lúcia da Costa(foto) e Maria de Lurdes Botelho viajassem para Havana, capital de Cuba, para participarem  do XI Congresso Internacional de Educação Infantil e Pré-Escolar, realizado nos dias 8,9 e 10 deste mês.

  Cada servidora recebeu, com autorização expressa do prefeito, R$ 3.910,56 mais as passagens aéreas e o transporte até Porto Alegre, numa viagem com custo aproximado de R$ 10 mil, numa gestão que despenca assustadoramente no ítem transparência.

   


   

Decisão unânime do TJ-RS