I Santo California - Tornerò

VOCÊ CONHECE A ESCOLA MÁRIO QUINTANA?

Clique aqui e confira

Diário da Manhã

Clique aqui e acesse o site

Apollo11.com  

Pelotas no satélite

como colocar contador de visitas no site
>

Acessos


pag01.pdf pag02.pdf pag03.pdf pag04.pdf

www.poucaseboas.net - Contato: ab.silveira@ig.com.br

www.poucaseboas.net - O site do jornalista A.B.Silveira

O grupo nasceu artisticamente em 1975 com o primeiro grande sucesso internacional intitulado "Torneró" , que foi lançado pela transmissão da televisão às sete da noite pela RAI, conduzida por Christian De Sica : Depois de um mês, o grupo já ganhou o seu primeiro disco de ouro pela venda de mais um milhão de cópias na Itália. Com esta música destacam-se como um dos pilares da música melódica da década de setenta . Além de vender mais de 11 milhões de cópias, "Torneró" foi traduzido em quase todas as línguas do mundo.O grupo encantou o mundo durante duaas décadas mas foi esnobado na Itália, ignorado pela maioria dos canais de televisão daquele país.Os anos foram passando, as aparições só ocorriam em feiras ou eventos regionais e o grupo acabou encerrando suas atividades no ano de 1991 quando foi gravado o último CD.Embora ignorado na Itália, I Santo California, oriundo da Campania, foi o que mais vendeu e encantou com seu estilo raro.


   O Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul expediu recomendação à Prefeitura de Pelotas para adequar a forma como o município tem conduzido o Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV). Em Inquérito Civil nº 1.29.005.000295/2014-12, o MPF verificou que a prefeitura não cumpre determinações da Portaria 595, de 18 de dezembro de 2013, do Ministério das Cidades, sobre a publicidade do programa social e estaria por alterar a norma que regula o PMCMV em âmbito municipal, estabelecendo requisitos para inscrição no cadastro do programa social estranhos à legislação do programa.

    Nesse sentido, foi recomendado ao município que publique em meio físico e eletrônico o cadastro dos candidatos a beneficiários do programa. Além disso, que não constem mais como condições para inscrição os requisitos referentes ao interessado não ter ocupado irregularmente áreas públicas ou privadas no município e comprovar oficialmente que reside, no mínimo, há dois anos em Pelotas.

   O documento a ser publicado deverá conter a identificação dos inscritos e a listagem afixada na prefeitura e na Câmara dos Vereadores. Além disso, será publicada a relação dos candidatos aptos a serem beneficiários do PMCMV, com o prazo máximo de 15 dias após ser comunicado pela Caixa Econômica Federal, relação para a qual também deverá ser dada a devida divulgação em meio físico.

   Segundo o procurador da República Max dos Passos Palombo, a legislação não confere ao gestor municipal a faculdade de estabelecer requisitos para o cadastramento de interessados no programa social, sendo de sua competência a indicação dos candidatos a beneficiários nos termos da legislação do programa. “Ao estabelecer tais critérios, o gestor municipal está restringindo os interessados que poderiam se beneficiar de unidade habitacional do programa, excluindo do rol de possíveis beneficiários justamente aqueles carentes de habitação e que, para buscar condições mínimas de sobrevivência, ocupam irregularmente áreas urbanas”, destaca. Fonte: MPF

MPF/RS cobra da Prefeitura Municipal de Pelotas adequações no Programa Minha Casa Minha Vida

   As entidades que formam a Aliança Pelotas pediram o apoio do Legislativo para analisar, com um prazo maior, o projeto da planta de valores do município – o IPTU 2015 – que a Prefeitura encaminhou à Câmara e que pretendia ver aprovado até esta quinta-feira. A proposta do governo suscitou tantas dúvidas entre parlamentares, entidades de classe e população, que o presidente da Câmara, Ademar Ornel (DEM) aceitou adiar a votação, e deve anunciar a nova data para que o projeto vá ao plenário, nos próximos dias.

   Ademar Ornel fez um dos seus discursos mais veementes na manhã desta quarta-feira, 19/11, a respeito das correções pretendidas pelo Executivo à tabela do Imposto Predial Territorial Urbano. Segundo o presidente do Legislativo, os vereadores não devem esquecer que o voto que cada um dará “deve ser em cima de questões reais, do interesse da cidade, para não sairmos maculados”.

Ele lembrou que o projeto do governo tem muitos problemas, e que as realidades sociais são diferentes de um município para outro. “Não podemos comparar Pelotas com outras cidades. Quem elaborou o projeto não tem compromisso de responder à sociedade, muitos nem são daqui. O compromisso deles é com as questões legais. O compromisso maior é do Legislativo”.

    Na reunião com os representantes da Aliança Pelotas, Ornel reafirmou o que havia dito da tribuna. “A Câmara não pode votar algo que vai contra os interesses da cidade, não pode virar as costas para o setor produtivo”.

  Segundo os empresários, a mudança brusca dos valores, como está programado no projeto da Prefeitura, pode ocasionar, inclusive, a inadimplência em janeiro. “As pessoas se programam para os pagamentos de janeiro, como os impostos e o colégio dos filhos”, lembrou o representante da Câmara de dirigentes Lojistas, Daniel Medina Curi Hallal.

     Lixo – Mais uma vez, foi a taxa do lixo que causou os maiores debates na manhã de quarta. Ao iniciar a sessão, o vereador Luiz Henrique Viana (PSDB), líder do governo, leu ofício do prefeito em que este afirma que destinará “parte da receita própria do Município para a indenização dos gastos suportados pelo Serviço Autônomo de Saneamento de Pelotas (Sanep) no recolhimento, transbordo e destinação final do lixo...”.

   Para os vereadores da oposição, se o governo aplicar os recursos do IPTU com a autarquia, faltará verba para a manutenção da cidade. Em resposta, Viana explicou que o prefeito quer destinar “parte da receita própria do município e não do IPTU”, ao que Ademar Ornel respondeu: “a receita própria inclui o IPTU que é a maior receita própria do município”.

Os vereadores Anderson Garcia (PTB), Luiz Henrique Viana (PSDB), Vicente Amaral (PSDB) e Edmar Campos (DEM) defendem o projeto, por entender que a aprovação da taxa do lixo seria mais onerosa para a população. Mas parlamentares da oposição, como Ivan Duarte (PT), Anselmo Rodrigues (PDT) e Marcus Cunha (PDT), lançaram dúvidas sobre a proposta, pelas dúvidas suscitadas. Segundo Ivan Duarte o PT já fechou questão contra o projeto enquanto a questão do Sanep não estiver esclarecida.(Assessoria)


Projeto do IPTU deve ser apreciado na terça-feira

O prefeito de Pelotas não se sente nem um pouco envergonhado em manter o presidente do Sinduscon no comando do Sanep? Será que esta graça que está sendo concedida ao empresário Jacques Raydams veio de graça? Prefeito Eduardo Leite, não trate as pessoas desta cidade como debilóides ou algo parecido. Tenha a certeza de que, mais cedo ou mais tarde toda esta história será muito bem esclarecida. Se resolveu pagar para ver, na certa verá.

Será que já não esta na hora de ser bem explicado o projeto do Executivo que pode mexer  nos critérios para a eleição de diretores de escolas, que ainda não foi encaminhado para a Câmara Municipal mas já vazou e tem a assinatura do prefeito, que costuma se fazer de desentendido para sair ileso de suas trapalhadas. Mudar esta legislação para atender conveniências políticas é arriscado, se é que o prefeito tem noção disso.

Alguém vai ter que levantar a situação da Empresa Revita, que recebe quase R$ 1 milhão mensalmente para recolher o lixo e presta serviço da pior forma possível, com o beneplácito do “presidente” do Sanep. Um dos principais pontos é saber quantas multas esta empresa recebeu da autarquia, o montante das autuações e como elas foram pagas, se é que foram saldadas.Uma questão muito fácil de ser resolvida mas só em cidades que tem administrador consciente, sério e responsável.

Na semana que passou alguns vereadores espernearam com a notícia de que a aprovação do IPTU poderia representar a liberação de cargos e o prefeito negou qualquer negociação neste sentido, como se este seu governo tivesse o mínimo de credibilidade. Eduardo quer pagar sim novos cargos com o dinheiro que vai entrar e várias pessoas que integram seu governo são fruto deste tipo  negociação espúria e onerosa, que foram colocadas sem qualquer critério na conta do contribuinte desta cidade. Está mais do que na hora do jovem prefeito parar de mentir, viajar menos e trabalhar mais para os que lhe garantem o respeitável  salário de mais de R$ 15 mil mensais.

Interessante a posição do vereador José Sizenando na questão do projeto do IPTU, revelando possíveis condicionamentos do Paço, caso a matéria venha a ser aprovada.Por se tratar de um vereador que integra o partido da vice Paula Mascarenhas, foi uma posição de independência que deve ser saudada. Sizenando deixou claro que sua espinha não será dobrada por nenhum tipo de oferta.

O senhor Fetter Júnior, que até aqui foi o maior embuste administrativo da história destya cidade, aplicou um  respeitável calote de mais de R$ 4 milhões nos proprietários da área do Tecnosul e repassou o problema para seu sucessor, que até aqui tem dado sinais de que vai manter a mesma política de desapropriar o patrimônio alheio para jogá-los na vala dos precatórios.Recentemente numa tentativa de acordo, a figura financeira herdada do liso Bernardo de Souza admitiuj a quitação do débito mas só com 40% de desconto. Resumindo: A dívida é R$ 4 milhões mas nós propomos pagar apenas R$ 2,5 milhões. Quando governos adotam comportamentos predatórios e furtivos, quem tem algum tipo de negócio para fazer com o Executivo, não o faça sem um bom assessoramento jurídico, caso contrário correrá o sério risco de ser roubado e ter o patrimônio de seus familiares jogado nas prateleiras da impunidade e dos precatórios.

Talvez ainda chegue o dia em que maus administradores proliferadores de precatórios tenham que pagar do próprio bolso esta forma asquerosa de deixar rastros de calotes e trampas.Só quando sentirem no próprio bolso é que talvez passem a ter mais respeito ao patrimônio alheio.